21/10/2012

Chovia...chovia



Chovia...chovia

Naquela tarde, como chovia!

Me lembro de que a chuva caia
lá fora
sem parar,
e seu surdo rumor até parecia
um sussurro de quem chora
ou uma cantiga de embalar...

Me lembro de que tu chegaste
inquieta, ansiosa,
mas logo te aconchegaste
em meus braços, quietinha...
(...enroladinha como uma gatinha...)

E eu quase não sabia que fazer:
se de encontro ao meu peito te deixava adormecer...
se te mantinha acordada, para seres minha...

Me lembro que chovia, chovia sem parar...
E que a chuva caía a turvar as vidraças
anoitecendo o quarto em tons baços...
Me lembro de que te sentia
aconchegada em meus braços...
Me lembro de que chovia...
E de que era bom porque chovia,
e porque estavas alí, e porque eu te queria...
Sim, me lembro que tudo era bom...
E que a chuva caía, caía,
monótona, sem parar,
naquele mesmo tom...

Naquela tarde, amor, como chovia!

Agora, quando longe de ti, nem sou mais eu
em minha melancolia,
não posso mais ouvir a chuva cair
que não fique a lembrar tudo que aconteceu
naquele dia...

Naquele dia
enquanto chovia...
( Poema de JG  de Araujo Jorge,
extraído  do  livro A SÓS... , 1958 )

♥♥ 


Amara Mourige

5 comentários:

  1. Olá amiga. Livros, uma caneta de cappuccino e uma vidraça respingada de gotas de chuva... Perfeito!!! Bjs.

    ResponderExcluir
  2. Oi amiga Amara
    Lindo e perfeito. Tudo de bom neste poema maravilhoso. Ganhei um selo lindo e gostaria de compartilhá-lo com você. Passe lá no blog e veja se é do seu interesse. Beijinhos
    Gracita

    ResponderExcluir
  3. LInda poesia e cenário...beijos,ótimo dia,chica

    ResponderExcluir
  4. Amara,que romantica e linda poesia de amor escolheu!bjs e meu carinho,

    ResponderExcluir
  5. Amo chuva, acredita? E o meu marido também. rs
    Beijos!

    ResponderExcluir