12/10/2016

Olhai de que esperanças me mantenho!


Busque Amor novas artes, novo engenho, 
para matar me, e novas esquivanças; 
que não pode tirar me as esperanças, 
que mal me tirará o que eu não tenho.

Olhai de que esperanças me mantenho! 
Vede que perigosas seguranças! 
Que não temo contrastes nem mudanças,
andando em bravo mar, perdido o lenho.

Mas, conquanto não pode haver desgosto
onde esperança falta, lá me esconde 
Amor um mal, que mata e não se vê.
Que dias há que n'alma me tem posto 
um não sei quê, que nasce não sei onde, 
vem não sei como, e dói não sei porquê.


Luís Vaz de Camões, in "Sonetos"


 Amara Mourige

11 comentários:

  1. Lindo!!

    Uma grande bjoka pra vc =)

    ResponderExcluir
  2. Há dias que o vazio toma conta da alma sem uma explicação justificável e ficamos assim à deriva esperando que uma sua brisa nos tire desse vácuo momentâneo
    Um lindo dia
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Um grande poeta, uma beleza de poema.
    Um abraço.
    Élys.

    ResponderExcluir
  4. É sempre um prazer ler o nosso grande poeta e este seu poema é uma definição completa do amor.

    Um beijinho amiga Amara

    ResponderExcluir
  5. Boa noite, querida Amara!
    Temos várias formas de amor em que nos apoiar... ainda bem!
    Bjm muito fraterno

    ResponderExcluir
  6. Os sonetos de Camões são fantásticos.
    E este não foge à regra.
    Uma excelente escolha, minha amiga.
    Amara, tem um bom resto de semana.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  7. Encantado com tão belo soneto ,este que aqui lhe deixo é maravilhoso ,muitos beijinhos

    Amor é fogo que arde sem se ver,
    é ferida que dói, e não se sente;
    é um contentamento descontente,
    é dor que desatina sem doer.

    É um não querer mais que bem querer;
    é um andar solitário entre a gente;
    é nunca contentar-se de contente;
    é um cuidar que ganha em se perder.

    É querer estar preso por vontade;
    é servir a quem vence, o vencedor;
    é ter com quem nos mata, lealdade.

    Mas como causar pode seu favor
    nos corações humanos amizade,
    se tão contrário a si é o mesmo Amor?

    ResponderExcluir
  8. Camões é eterno, fazia tempo que não o lia
    bom encontrá-lo aqui
    Amara, tenha um dia de paz
    bjs

    ResponderExcluir
  9. Amara, minha querida amiga!

    Escolher Camões, a lírica Camoniana, já é por si só, um gesto nobre e de mto bom gosto, mas ler o k esse poeta, tão bem escreveu, é "dose dupla". Parabéns!

    Incompreendido, pobre, talentoso e tendo como leme, objetivo único de vida, o AMOR, ele o soube "cantar" como ninguém. Nesse poema, ele dá a conhecer aos outros que é o amor e seus tramas, k o mantém vivo, embora infeliz, mas com esperança, mta esperança.

    Beijos e te desejo uma semana de mto amor e luz.

    ResponderExcluir
  10. Estou alegre por encontrar blogs como o seu, ao ler algumas coisas,
    reparei que tem aqui um bom blog, feito com carinho.Posso dizer que gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns, decerto que virei aqui mais vezes.
    Sou António Batalha.
    Que lhe deseja muitas felicidade e saúde em toda a sua casa.
    PS.Se desejar visite O Peregrino E Servo, e se o desejar siga, mas só se gostar, eu vou retribuir seguindo também o seu.
    A Verdade Em Poesia.

    ResponderExcluir
  11. Ai esse não sei quê que é o amor! Que beleza de escolha, Amara! bjs

    ResponderExcluir