07/02/2016

Diz amor!

 
Diz amor! essa voz da lira interna,
É suspiro de flor que o vento agita,
Vagos desejos, ânsia de ternura,
Uma brisa de aurora que palpita.
Como dorme inocente esta criança!

Qual flor que abriu de noite o níveo seio,
E se entrega da aragem aos amores,
Nos meus braços dormita sem receio.
O que eu adoro em ti é no teu rosto
O angélico perfume da pureza;

São teus quinze anos numa fronte santa
O que eu adoro em ti, minha Teresa!
São os louros anéis de teus cabelos,
O esmero da cintura pequenina,

trecho: Teresa, por Álvares de Azevedo

Amara Mourige

8 comentários:

  1. Belo momento de poesia querida amiga ,muitos beijinhos feliz semana

    ResponderExcluir
  2. Muito linda tua escolha,Amara! bjs,m lindo dia! chica

    ResponderExcluir
  3. Bom dia, Amara. Confesso que não conhecia este poema de Álvares de Azevedo!
    Muito lindo mesmo.

    ResponderExcluir
  4. Uma poesia muito bonita , com muito sentimento.
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  5. Bom dia Amara
    Lindo poema cheio de delicadeza e amor, adorei.
    beijinhos

    http://eueminhasplantinhas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Lindo poema;
    Boa continuação de semana.
    janicce.

    ResponderExcluir
  7. Poema mais que lindo. Bjs e um lindo e abençoado final de semana. Amo vc no amor de Cristo.

    ResponderExcluir
  8. Amara,
    ~Escolheu um poema de amor lindo de tão delicado e puro.

    Um beijinho e bom fim de semana


    ResponderExcluir